CPI do Cachoeira recebe íntegra das gravações da Polícia Federal

Conversas telefônicas interceptadas durante as operações Vega e Monte Carlo já estão à disposição de parlamentares; material é mantido sob sigilo

Agência Senado

22 de junho de 2012 | 11h39

A partir desta sexta-feira, 22, a íntegra das gravações das operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, estará à disposição de integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista que investiga a ligação do contraventor Carlinhos Cachoeira com agentes públicos e privados. O material estava com a Justiça Federal em Goiânia e foi trazido até a secretaria da comissão na noite dessa quinta-feira, 21, pelo próprio relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG).

 

Como se trata de documentação protegida por regras de preservação de sigilo, o material lacrado foi depositado no cofre da secretaria da CPI. As mídias serão abertas ainda nesta manhã e inseridas no banco de dados referente às operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal. A partir daí, poderão ser consultadas por deputados e senadores que integram a comissão e seus assessores credenciados.

 

Segundo informações do presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), procedimentos adotados por ele e por Odair Cunha possibilitaram a liberação do material em 48 horas. O senador explicou que, até então, a CPI só tinha acesso a gravações editadas, contendo as partes de interesse da operação policial. Com o recebimento do novo material, os parlamentares poderão consultar outros trechos que podem ser úteis ao trabalho da comissão.

 

Na próxima semana, a CPI mista deve tomar nove depoimentos. Serão ouvidas pessoas ligadas ao governador de Goiás, Marconi Perillo, que serão questionadas sobre a venda da casa onde Cachoeira foi preso em fevereiro deste ano e que pertenceu ao governador. Também foram convocadas pessoas para buscar esclarecer fatos relacionados ao governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.