CPI do Cachoeira é oficialmente prorrogada

Ao contrário do que propôs a oposição, trabalhos serão prorrogados até 22 de dezembro

Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo

01 de novembro de 2012 | 17h45

BRASÍLIA - A CPMI do Cachoeira foi prorrogada nesta quinta-feira, 1, por mais 48 dias, podendo funcionar até o dia 22 de dezembro, quando começa o recesso do Legislativo. Na prática, a comissão virou "pizza" e não avançará nas investigações. Isso porque o requerimento assinado por 41 senadores e 232 deputados, lido na sessão desta quinta do Senado, faz parte de um acordo dos líderes da base governista para impedir que a investigação se estenda à ligação do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com a empreiteira Delta.

O prazo impedirá a quebra do sigilo bancário e fiscal de 29 empresas de fachada, tidas como braços da Delta. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) informou à CPMI que essas empresas tiveram "movimentação atípica". Ou seja, elas nada produzem, mas recebem e repassam altas somas de dinheiro. A Construtora Delta é a maior beneficiada por recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tendo recebido da União mais de R$ 3 bilhões desde o início do programa.

Presente ao plenário, o líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR), disse que o requerimento de prorrogação trata-se na realidade "de uma estratégia e não da intenção de aprofundar as investigações para revelar ao País detalhes de um gigantesco esquema de corrupção".

"A sujeira e o lixo da corrupção estão sendo empurrados para debaixo do tapete da impunidade", alertou. A situação, no seu entender, se comparada ao desempenho do Supremo Tribunal Federal no julgamento dos mensaleiros, faz com que os parlamentares se tornem "desavergonhados pizzaiolos".

"Nós do Congresso não aprendemos a lição do Supremo no julgamento do mensalão e o que se faz é decretar o fim da CPMI", criticou. Dias chamou o acordo dos líderes governistas de "simulacro da prorrogação" e de "encenação". Ele lembrou o fracasso da tentativa da oposição de estender os trabalhos por mais seis meses, tempo bastante para investigar as "laranjas" da empreiteira.

Tudo o que sabemos sobre:
CPICachoeiraprorrogação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.