CPI do Cachoeira deve decidir nesta terça novo prazo de encerramento

Intenção dos parlamentares oposicionistas é de prorrogar por 180 dias

Agência Senado,

30 de outubro de 2012 | 15h25

O comando da CPI do Cachoeira reúne-se com representantes dos partidos no fim da tarde desta terça-feira, 30. A expectativa é que os parlamentares marquem o novo prazo para o término das investigações. A prorrogação dos trabalhos, previstos para terminarem no dia 4 de novembro, foi tomada em reunião realizada no último dia 16, mas não houve acordo sobre a data de encerramento.

A intenção de parlamentares oposicionistas é de que a prorrogação se dê por 180 dias, prazo máximo previsto em lei. O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), que iniciou a coleta de assinaturas no Senado, já conseguiu 35 adesões, número superior ao mínimo necessário para a prorrogação, que é de 27 assinaturas.

Já na Câmara, são necessárias 171 assinaturas. O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) até agora coletou 80. A coleta também está sendo feita por Rubens Bueno (PPS-PR), mas os números não foram divulgados pela liderança do partido. A coleta deve ser intensificada na próxima semana, já que o movimento na casa deve voltar ao normal após o segundo turno das eleições.

Em entrevista recente, o relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), afirmou que trabalha para que o relatório esteja pronto em 4 de novembro, mas disse que respeitará o que for decidido na reunião entre os representantes partidários na CPI.

O resultado da reunião deve influenciar a análise dos 507 requerimentos que ainda precisam ser votados. A reunião está marcada para esta quarta-feira, 31, às 10h15. Entre os pedidos a serem analisados estão convocações e quebras de sigilo de empresas que seriam ligadas à organização criminosa que foi alvo da operação Monte Carlo.

Tudo o que sabemos sobre:
cpi cachoeiraprorrogação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.