Jonas Pereira/Ag. Senado
Jonas Pereira/Ag. Senado

CPI do Cachoeira aprova quebra dos sigilos da Delta

Apenas o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) votou contra à abertura dos dados da construtora; decisão sobre convocar governadores ficou para a próxima sessão

Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo

29 Maio 2012 | 16h13

BRASÍLIA - A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira aprovou nesta terça-feira, 29, a quebra dos sigilos bancário e fiscal da Delta Construções. O requerimento foi aprovado pela ampla maioria da CPI. Apenas o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) votou contra. Já a decisão de convocar os governadores ficou para a próxima sessão.

Na próxima terça-feira, 5 de junho, a comissão pretende analisar os requerimentos de convocação dos governadores de Goiás, o tucano Marconi Perillo; do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiróz; e do Rio de Janeiro, o peemedebista Sérgio Cabral. O presidente da CPI, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), vai fazer um parecer técnico para definir se a comissão tem ou não poderes para convocar governadores de Estado.

O deputado Gladson Cameli (PP-AC) argumentou que a convocação de governadores fere o princípio federativo e a autonomia entre os entes federados. Além disso, o deputado argumentou que os governadores têm prerrogativa de foro. Em resposta, o senador Pedro Taques (PDT-MT) afirmou que qualquer governador pode ser ouvido na justiça comum como testemunha. O entendimento do senador é de que a CPI pode ouvir autoridades de todos os poderes nessa condição.

Apesar dos protestos do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), o presidente da comissão manteve a decisão de adiar a votação, em respeito ao deputado e ao senador que o contraditou. Segundo o presidente, o parecer técnico sobre a questão de ordem deve ser lido na próxima reunião, que está marcada para esta quarta-feira, 30.

Vice-presidência. Depois de nove reuniões, a CPI elegeu nesta sessão o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) para a vice-presidência da Comissão. Em votação secreta, Teixeira obteve 21 votos. Seu adversário, o senador Pedro Taques (PDT-MT) conquistou oito votos. Dois senadores anularam o voto.

Com a eleição do petista para a vice-presidência, todos os cargos chaves da CPI estão nas mãos de governistas – a presidência da Comissão com o PMDB e a relatoria com o petista Odair Cunha (MG). O nome do Taques foi lançado pelo líder do PSDB, Álvaro Dias (PSDB-PR).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.