CPI do Banestado ouve Gustavo Franco na terça

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura o desvio de US$ 30 bilhões do País por intermédio do Banestado ouve terça-feira o depoimento do ex-presidente do Banco Central (BC), Gustavo Franco. Ele deverá explicar como foram feitas as operações de transferências de recursos durante sua gestão à frente do BC.O relator da comissão, deputado José Mentor (PT-SP), diz que deseja ouvir o que Franco tem a dizer sobre a portaria que baixou em 1996, quando era diretor da área internacional do banco, permitindo o transporte de valores por carros-fortes na fronteira entre Brasil e Paraguai.Em depoimento à CPI na semana passada, o ministro do Tribunal de Contas da União, Adylson Motta, afirmou que a corte considerou ilegal a portaria. De acordo com o ministro, a decisão do BC provocou "enormes perdas financeiras para o País". Ele contou ainda que Franco foi multado em R$ 23 mil por "atos lesivos ao interesse nacional". A multa, segundo o ministro, era a maior passível de aplicação. O ex-presidente do BC apresentou recurso contra a decisão.O presidente da CPI, senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT), informou que até o fim do mês deverá estar pronta a documentação para novo pedido, aos EUA, de quebra de sigilo das contas do Banestado em Nova York. Na quarta-feira, os integrantes da CPI vão à Embaixada americana falar do assunto com a embaixadora Donna Hrinak.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.