CPI do Banespa ouvirá representante da Fipecafi

Eliseu Martins, membro do Conselho Curador da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), ligada à Faculdade de Economia e Administração da USP, será ouvido terça-feira na CPI que investiga a intervenção do Banco Central no processo deprivatização do Banespa. Segundo o presidente da comissão, deputado Luiz Antônio Fleury Filho (PTB-SP), a convocação de Martins se justifica pelofato de que foram contratadas duas consultorias independentes para verificar o preço do Banespa para fim de privatização. "O Banco Central contratou, sem licitação, a Fipecafi por ser uma fundação pública, e ela, por sua vez, subcontratou uma consultoria: isso é fraude à Lei de Licitação." Fleury também anunciou para a quarta-feira uma reunião administrativa para decidir os próximos passos da CPI. "Já temos um grande material para ser examinado, como a lista dos nomes das pessoas que compraram ações do Banespa 30 dias antesda intervenção até 30 dias depois da privatização. Queremos verificar se houve ou não informação privilegiada que levasse a lucros absurdos."Os trabalhos da CPI do Banespa têm sido marcados por momentos de tensão, provocados pelas ameaças de prisão de depoentes feitas pelo relator deputado Robson Tuma (PFL-SP). Na quinta-feira, Fleury precisou suspender a sessão da CPI porcinco minutos para que os ânimos se acalmassem, depois que Tuma ameaçou prender o procurador aposentado do BC Manoel Lucívio de Loiola. No dia anterior, o relator havia protagonizado idênticoincidente com o ex-presidente do Banespa, Carlos Augusto Meinberg. "Às vezes o estilo do Tuma é um pouco mais agressivo mas, como sou um conciliador por natureza, sei que não haverá nenhum incidente mais grave", acredita Fleury.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.