Agência Câmara - 19.04.2013
Agência Câmara - 19.04.2013

CPI determina condução coercitiva de presidente de estaleiro

J.W. Kim havia sido convocado para prestar depoimento na terça-feira, 14, mas não respondeu ao aviso de convocação

Daniel Carvalho e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2015 | 15h27

BRASÍLIA - O presidente da CPI da Petrobrás, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), determinou a condução coercitiva do presidente do estaleiro Samsung Heavy Industry, J.W. Kim. Ele havia sido convocado para prestar depoimento na terça-feira, 14, mas não respondeu ao aviso de convocação.

“Determino a condução coercitiva do presidente do estaleiro, que não respondeu à convocação da CPI. A CPI cumpre aquilo que anuncia”, afirmou Motta, que marcou o depoimento para 5 de agosto.

Polêmica. O início da sessão foi marcado por tensão entre o presidente da CPI e o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que o acusou de blindar investigados pela Operação Lava Jato e de esconder as investigações conduzidas pela empresa de espionagem Kroll. "O senhor está blindando, sim, pessoas", disse Valente, antes de cobrar a convocação de pessoas que envolvem o nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no esquema de corrupção da Petrobrás.

Valente cobrou também publicidade aos 12 nomes investigados pela Kroll. Apenas Motta, o deputado André Moura (PSC-SE) e Cunha sabem quem são os investigados. Reportagem do "Correio Braziliense" informou que Cunha determinou sigilo sobre as investigações até 2020. 

Tudo o que sabemos sobre:
CPI PetrobrásOperação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.