CPI defende divulgação de nomes dos sanguessugas

O presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), defendeu hoje a divulgação imediata dos nomes dos 57 parlamentares envolvidos com a máfia das ambulâncias que estão sendo investigados pelo Ministério Público Federal."Esses nomes têm de ser divulgados para acabar com as especulações",afirmou.Ele reuniu-se com a presidente do Supremo, ministra Ellen Gracie, para fazer um apelo a fim de que seja retirado o sigilo dos processos contra os parlamentares. A decisão sobre o fim do sigilo foi adiada para próxima semana quando o ministro Gilmar Mendes, encarregado do caso no Supremo, retorna ao Brasil. "Esses nomes têm de ser divulgados para acabar com as especulações", defendeu Biscaia.Dos 57 parlamentares envolvidos, 15 são alvo de inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e já foram notificados para dar explicações por escrito à CPI. Biscaia pretendia enviar ainda hoje as notificações para os 42 restantes. A senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) subiu ontem à tribuna e chorou ao garantir que não está envolvida com a máfia das ambulâncias. O nome da senadora teria sido citado à Justiça pelo empresário Luiz Antônio Vedoin, um dos donos da Planan, principal empresa do esquema. Além de Serys, também teriam sido citados os nomes dos senadores Magno Malta (PL-ES) e do líder do PMDB, Ney Suassuna (PB). Serys recebeu o apoio de senadores tanto de oposição quanto governistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.