CPI da terra convoca ministra do STF para depor

A CPI da terra no Congresso aprovou nesta terça-feira a convocação da ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Ellen Gracie Noortfleeth, para depor sobre a acusação de ter legislado em causa própria ao anular a desapropriação da fazenda Southall, no Rio Grande do Sul. Segundo depoimento dado hoje pelo presidente da Comissão Pastoral da Terra (CPT), dom Thomaz Balduíno, a ministra é casada com o primo da esposa do proprietário da fazenda, Alfredo Willian Losco Southall. Pelo grau de parentesco, informou o bispo, a filha de Ellen poderá vir a ser beneficiária da herança.Alvo de antiga disputa, a fazenda, de 13,2 mil hectares, localizada no município de São Gabriel, foi considerada improdutiva em 2001 pelo governo Fernando Henrique Cardoso e desapropriada em maio do ano passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2 de junho, Ellen concedeu liminar suspendendo o decreto presidencial. Em 14 de agosto, o STF, por 8 votos a 2, acompanhou o voto da relatora e cancelou a desapropriação em definitivo. A assessoria do STF informou que a ministra só vai se manifestar após receber a convocação e conhecer os termos da acusação.Dom Thomaz afirmou que o Poder Judiciário, em associação com o agronegócio, é hoje um dos maiores inimigos da reforma agrária. "A justiça tem se mostrado muito ágil para atender às demandas dos proprietários de terras, mas quando se trata de julgar crimes contra os trabalhadores, a lentidão é que manda", disse. Os atos de reintegração de posse determinados pelo Judiciário em 2003, informou, atingiram 35.292 famílias de sem-terra. Segundo ele, 1.349 trabalhadores rurais foram assassinados no País de 1985 a 2003. Desse total, apenas 75 casos foram a julgamento, que resultaram na condenação de 64 assassinos e 15 mandantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.