Luís Macedo/Agência Câmara/Divulgação
Luís Macedo/Agência Câmara/Divulgação

CPI da Petrobrás tem pedidos para ouvir Collor, Vaccari e Delúbio Soares

Parlamentares já protocolaram mais de 245 pedidos que vão desde convites para ouvir autoridades até solicitação de compartilhamento das investigações da Lava Jato

Daiene Cardoso e Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2015 | 14h33


Brasília - No primeiro dia de recebimento de requerimentos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás, mais de 245 pedidos já foram protocolados até esta tarde. Foram apresentadas solicitações para convocações de autoridades, empresários e envolvidos no esquema de corrupção na estatal, além de solicitação de compartilhamento de informações e documentos da Operação Lava Jato, acareações e quebra de sigilo bancário. 

Entre convites e convocações, aparecem os nomes da socialite Val Marchiori e seu amigo, o atual presidente da estatal Aldemir Bendine, os ex-presidentes da Petrobrás Graça Foster e José Sérgio Gabrielli, os ex-ministros José Dirceu, Antônio Palocci, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, o senador Fernando Collor (PTB-AL), o ex-tesoureiro da campanha presidencial do PT Edinho Silva e o tesoureiro petista João Vaccari Neto. Os condenados do Mensalão Delúbio Soares e Marcos Valério também podem ser ouvidos pela CPI. Até Marina Mantega, filha do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, pode ser convidada a prestar esclarecimentos.

Dos arrolados na Operação Lava Jato, os deputados querem ouvir os ex-diretores da estatal Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró, Renato Duque, o ex-gerente Pedro Barusco e o doleiro Alberto Youssef. A ex-gerente da estatal Venina Velosa pode ser convocada e há requerimento para aprovação de convite para ouvir o juiz Sérgio Moro.


Após a instalação, a CPI terá reunião na próxima quinta-feira, 5, para votar os requerimentos e discutir a criação de subrelatorias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.