CPI da Petrobras: Sarney diz que terá 'absoluta isenção'

Aliado do governo, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse hoje que atuará "com absoluta isenção" com relação à CPI que vai investigar denúncias de irregularidades na Petrobras. No comando do Senado há três meses, esta será a primeira vez na atual legislatura que Sarney estará na linha de frente de um fato de interesse do Planalto e da oposição. Até agora ele vinha se ocupando basicamente com uma série de denúncias constatadas na administração da Casa, como o pagamento de horas extras no período de recesso e o envolvimento de servidores em esquemas suspeitos.

ROSA COSTA, Agencia Estado

25 de maio de 2009 | 19h25

Para Sarney, a melhor maneira de contestar a suspeita de que se trata de uma CPI política, tendo como palco a disputa entre governo e oposição, é pautar todos os atos da comissão pelo que determina o Regimento do Senado. "Eu cumpro o Regimento naquilo que ele determinar para que os trabalhos prossigam, de modo que esta CPI encontre seus objetivos, cumpra seus objetivos. Ela é inteiramente do domínio dos políticos", frisou, descartando a tese de que o governo dominará os trabalhos da comissão.

O senador evitou fazer uma avaliação sobre a conveniência da investigação, alegando que sua opinião poderia ser entendida como falta de isenção. "Saber se é oportuno, se não é oportuno, quando apenas eu cumprirei integralmente o Regimento", afirmou. "E até vou me abster de manifestações sobre o valor ou não da CPI".

Tudo o que sabemos sobre:
CPI da PetrobrasJosé Sarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.