CPI da Petrobras é inconveniente ao País, pondera Alves

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), saiu em defesa do governo ao criticar a iniciativa da oposição de tentar instalar uma CPI para investigar a Petrobras. Para ele, as apurações conduzidas por órgãos de controle como Polícia Federal, Ministério Público e Controladoria Geral da União (CGU) são suficientes neste caso. Ele destaca que a proximidade das eleições compromete uma possível investigação parlamentar.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

25 de março de 2014 | 11h49

"Os órgãos de controle estão atuando e, perto das eleições, uma CPI traz um ingrediente político que não convém ao País", afirmou Alves ao Broadcast Político.

A oposição se articula na busca de uma CPI após reportagem do Estado de S., Paulo revelar que a presidente Dilma Rousseff votou favoravelmente à compra da refinaria de Pasadena, no Texas, quando comandava o conselho da estatal do petróleo. A presidente justificou que tomou tal decisão com base em um resumo executivo "falho" e com "informações incompletas". Segundo Dilma, não constavam no documento as cláusulas que levaram a Petrobras a ter um prejuízo bilionário na operação.

Mais conteúdo sobre:
CPIPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.