CPI da Petrobrás desmarca acareações de envolvidos na Lava Jato, a pedido de Moro

Réus da operação têm compromissos com a Justiça Federal nas datas definidas pelos deputados

DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 20h33

Brasília - A CPI da Petrobrás da Câmara dos Deputados cancelou as acareações marcadas para os próximos dias entre os principais personagens da Operação Lava Jato. O juiz Sérgio Moro informou à comissão que nas datas escolhidas pelos deputados os investigados já terão compromisso com a Justiça Federal.

A primeira acareação estava marcada para a próxima terça-feira, 30, entre o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa. A segunda aconteceria no dia 7 de julho, entre o ex-gerente de Serviços da Petrobrás Pedro Barusco e seu antigo chefe, o ex-diretor de Serviços Renato Duque. No dia 14 de julho os deputados pretendiam fazer o confronto de versões entre Barusco e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. A CPI ainda não definiu nova data para os depoimentos.

Assim que o novo calendário for definido, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vai suspender em caráter especial o ato da Mesa Diretora que proíbe a oitiva de presos nas dependências da Casa. Assim, as acareações dos encarcerados poderá acontecer na Câmara, como querem os deputados.

Troca. O PT fez mudança na composição da bancada que integra a CPI. Após a convocação do diretor-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o partido comunicou a troca do deputado Afonso Florence (PT-BA) por Wadih Damous Filho (PT-RJ), ex-presidente da OAB-RJ.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoCPI Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.