CPI da Petrobras ameaça 'boom' do petróleo no Brasil, diz 'Financial Times'

Para jornal, comissão pode dificultar esforços do governo para regular exploração do pré-sal.

BBC Brasil, BBC

22 de julho de 2009 | 05h18

A recém-instalada CPI da Petrobras ameaça dificultar os esforços do governo brasileiro para regular a exploração das vastas novas reservas de petróleo do país, segundo afirma reportagem publicada pela edição online do diário britânico Financial Times

"Esta pode ser a pior crise da história da Petrobras, como diz o presidente da companhia, e ocorre no momento em que a petrolífera estatal brasileira está ampliando o desenvolvimento dos potencialmente vastos campos de petróleo em águas profundas", diz o texto.

O jornal comenta que entre as acusações contra a Petrobras e contra a Agência Nacional de Petróleo estão "fraudes em concorrências para obras em plataformas de petróleo, irregularidades em contratos de construção, superfaturamento na construção de uma refinaria, desvio de royalties, a suposta evasão de R$ 4,3 bilhões em impostos e irregularidades orçamentárias".

Para o Financial Times, a instalação da CPI "vem em um momento ruim", quando a Petrobras pretende investir, nos próximos cinco anos, US$ 28,9 bilhões na exploração das reservas de petróleo pré-sal.

A reportagem observa ainda que a CPI ocorre em meio às acusações de corrupção no Senado, e que a decisão do ex-presidente do país e atual presidente do Senado, José Sarney, de autorizar a instalação da comissão de inquérito "foi criticada como uma tentativa de desviar a atenção do fluxo de acusações de corrupção contra ele e contra outros senadores".

"Diante de um cenário político quente, a comissão da Petrobras deve começar seus trabalhos quando o Senado voltar de seu recesso, no dia 6 de agosto, e terá 180 dias para apresentar seu relatório", diz o jornal. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.