CPI da Loterj no Rio pode chamar Dirceu para depor

A Assembléia Legislativa fluminense criou a CPI da Loterj/Rioprevidência dependendo do depoimento do ex-secretário nacional de Segurança Pública Luiz Eduardo Soares para decidir se convoca para depor nas investigações sobre bingos o chefe de gabinete da Casa Civil, Marcelo Sereno. A CPI será instalada às 14h desta quinta-feira e começará a ouvir os primeiros depoimentos na próxima semana. Ela não tem poderes legais para convocar Dirceu, porque, além de não ser objeto das investigações, não ocupou nenhum cargo no Rio e é ministro, cargo federal. Pode, porém, convidá-lo. Nessa hipótese, o ministro poderia por lei se recusar a comparecer ou, se aceitasse o convite, poderia marcar dia, hora e local para o depoimento. Sereno, contudo, foi secretário-executivo do Gabinete da Governadora durante o governo de Benedita da Silva (PT), por isso não poderia escapar a uma convocação."O ministro Dirceu não é objeto da investigação, nem temos legitimidade para chamá-lo", explicou Calazans. "Da mesma forma, só poderemos investigar Waldomiro Diniz por seu período à frente da Loterj. Se alguém quiser investigar a atuação de Waldomiro como subchefe da Casa Civil, isso é atribuição da Câmara dos Deputados e do Senado. Na Assembléia, vamos investigar ações do Waldomiro como presidente da Loterj" Ele também disse que a CPI não investigará financiamento ilegal de campanhas eleitorais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.