Pedro França/Agência Senado
Pedro França/Agência Senado
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

CPI da Covid não pode ter medo de ‘crise de abstinência’

Em novo episódio de ‘Por Dentro da CPI’, Eliane Cantanhêde destaca que o colegiado precisa focar na produção do relatório final

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2021 | 12h02

Na última semana, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid mostrou estar numa “encruzilhada”, após uma sequência de três depoimentos “lamentáveis” e troca de insultos entre senadores. Na avaliação da jornalista Eliane Cantanhêde, o momento é de encerrar as oitivas para que os parlamentares foquem no relatório final. 

“Os senadores precisam parar de temer a crise de abstinência do pós-CPI, que é quando os holofotes se apagam”, aponta. “É preciso parar os depoimentos, com a exposição pública e se voltar para dentro, para o principal, que é o relatório final”, afirma a colunista do Estadão no novo episódio de Por Dentro da CPI.

Para dar sequência às apurações iniciadas pelos senadores, destaca Eliane, o Ministério Público de São Paulo criou na quinta-feira, 23, uma força-tarefa que vai investigar se a Prevent Senior tratou pacientes, sem o devido consentimento, com o chamado kit-covid. “A CPI tem uma função: trazer à luz todas essas questões, mostrar tudo isso e mostrar num belo relatório final, mas a CPI não pode ficar indefinidamente, durante anos, investigando os detalhes”, diz.

Sobre a próxima semana de trabalhos, Eliane considera que o já agendado depoimento do empresário bolsonarista Luciano Hang “não vai servir para nada” e será transformado por ele “num circo”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.