CPI da Corrupção se reúne novamente após uma semana

Último encontro resultou na convocação do o ex-secretário, Durval Barbosa, pivô das denúncias

estadao.com.br,

20 de janeiro de 2010 | 13h19

A CPI da Corrupção, instalada na Câmara Legislativa do DF para investigar o chamado "Mensalão do DEM", vai se reunir pela segunda vez nesta quinta-feira, 21, a partir das 14h, no plenário da Casa. Fazem parte da comissão os deputados Alírio Neto (presidente, PPS), Batista das Cooperativas (vice-presidente, PRP), Raimundo Ribeiro (relator, PSDB), Paulo Tadeu (PT) e Eliana Pedrosa (DEM).

 

Na reunião de quinta-feira passada, a comissão aprovou a convocação do autor das denúncias, o ex-secretário do governo do Distrito Federal, Durval Barbosa, e de representantes de 23 empresas citadas no inquérito da Polícia Federal. Dentre as empresas citadas consta o grupo de construção civil do vice-governador do DF, Paulo Octávio. No mesmo dia, foram aprovados ainda requerimentos de informações de diversos órgãos do governo, a exemplo da Secretaria de Tecnologia.

 

Autor das denúncias que implodiram o esquema conhecido como "Mensalão do DEM", Barbosa anunciou nesta terça-feira, por meio de seus advogados, que irá trazer fatos novos que comprometeriam ainda mais governador, José Roberto Arruda (sem partido). Segundo inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ), o esquema seria comandado pelo governador.

 

Dando prosseguimento aos trabalhos, o autor do requerimento de convocação de Barbosa, deputado Paulo Tadeu (PT), entregou na tarde desta terça-feira, 19, ao secretário-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Correa, um ofício da CPI solicitando a colaboração da Polícia para viabilizar o depoimento, já que Barbosa está no programa de proteção da PF.

 

Investigação

 

A Polícia Federal deve ouvir ainda nesta quarta-feira, 20, o depoimento do ex-chefe da Casa Civil do Governo do Distrito Federal José Geraldo Maciel. Ele está afastado do cargo e teve seu nome citado em grampo feito pela Operação Caixa de Pandora.

 

Uma gravação presente no inquérito da Polícia Federal contém uma conversa do governador José Roberto Arruda com o ex-secretário de Relações Institucionais do governo do Distrito Federal, Durval Barbosa, em que Arruda pede para centralizar em Maciel o esquema de distribuição do dinheiro que seria recebido de empresas que têm contratos com o governo.

 

A Polícia Federal suspendeu o depoimento do diretor-presidente da Politec Global IT, Hélio Santos Oliveira, que estava marcado para a manhã desta quarta-feira. Ele pediu o adiamento alegando que seu advogado está ausente de Brasília.

 

Está marcado para a próxima quarta-feira, 27, o depoimento do jornalista conhecido como Edson Sombra, que teria encorajado Durval Barbosa a fazer as denúncias nas quais está envolvido.

 

Com informações da Câmara Legislativa do Distrito Federal e da Agência Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
CPIMensalao do DemDistrito Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.