CPI convoca Mangabeira para esclarecer suposto lobby

Protógenes disse em depoimento que ministro seria uma espécie de lobista de grupos privados no governo

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

15 de abril de 2009 | 17h22

A CPI dos Grampos aprovou nesta quarta-feira, 15, a convocação do ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, para prestar esclarecimentos sobre declaração do delegado da Polícia Federal (PF) Protógenes Queiroz classificando-o como uma espécie de lobista de grupos privados dentro do governo federal. O ministro ainda não foi notificado para comparecer à CPI e não há data marcada para o depoimento. De acordo com sua assessoria, Mangabeira não foi encontrado para comentar o assunto.

 

Veja também:

Protógenes diz se sentir injustiçado

especialPerfil: Quem é o delegado Protógenes Queiroz

especialAs versões de Protógenes

especialEntenda a Operação Satiagraha

especialAs prisões de Daniel Dantas

especialOs alvos da Operação Satiagraha 

 

Antes de se tornar ministro, Mangabeira prestou consultoria jurídica para a Brasil Telecom nos Estados Unidos, quando a empresa era controlada pelo banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity. Ele também atuou como uma espécie de procurador da telefônica. Dantas foi alvo da Operação Satiagraha, comandada pelo delegado Protógenes, e é acusado de corrupção e crimes financeiros.

 

Quando surgiram as suspeitas do delegado sobre o ministro no fim do ano passado, Mangabeira as classificou de "ridículas". O delegado teria registrado indícios de que o ministro, que trabalhou para o  tenha participado da concepção de estratégias dele, intermediado contatos dele com meios de comunicação e favorecido o banqueiro em seus negócios na Amazônia.

 

"(Isso é) totalmente ridículo. Eu nunca procurei políticos ou jornalistas no período em que prestei serviços profissionais para a Brasil Telecom, nem antes desse período nem depois", disse Mangabeira à época.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Mangabeira UngerlobbyCPI dos Grampos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.