CPI contra Yeda Crusius começa nesta quarta-feira

Comissão terá 120 dias para apresentar seu relatório, prorrogáveis por mais 60

Rodrigo Alvares, estadao.com.br

26 de agosto de 2009 | 10h46

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul instalará a CPI da Corrupção às 17 horas desta quarta-feira para investigar supostos atos de corrupção no governo Yeda Crusius (PSDB-RS). A comissão será instalada pelo presidente da Casa, Ivar Pavan (PT-RS), a partir da assinatura de 39 parlamentares - o que aconteceu depois que o Ministério Público Federal (MPF) protocolou ação por improbidade administrativa contra a governadora e oito aliados em 5 de agosto.

 

Veja também:

linkGravação contra Yeda vaza na web

linkTJ-RS bloqueia bens de 5 réus em ação de improbidade

linkAdvogado pedirá à Justiça exclusão de Yeda em ação

linkDeputados obtêm acesso a processo contra Yeda Crusius

linkYeda Crusius acusa procuradores do Ministério Público Federal

linkMinistério Público pede afastamento de Yeda

 

Após o ato, na presença dos 12 parlamentares titulares e 12 suplentes indicados pelas bancadas, os integrantes da comissão escolherão o vice-presidente e o relator. A CPI será presidida pela deputada Stela Farias (PT). A comissão terá 120 dias para apresentar seu relatório, prorrogáveis por mais 60.

 

De acordo com o deputado Fabiano Pereira (PT-RS), "com o clima que está aqui no Rio Grande do Sul, é impossível que o povo deixe que tudo vire pizza". O parlamentar presidiu a CPI do Detran - de novembro de 2007 a julho de 2008 -, que indiciou 40 pessoas supostamente envolvidas no desvio de mais de R$ 40 milhões da autarquia e abriu uma crise permanente no governo. "A CPI que será aberta hoje é mais pesada do que a do Detran", acrescentou o deputado.

 

Segundo os procuradores, a representação do MPF desenvolveu uma investigação que passou pela reanálise dos elementos contidos na Operação Rodin, além do exame dos dados oriundos de outros três procedimentos de investigação que continham interceptações telefônicas, inclusive da denominada Operação Solidária, envolvendo a análise de mais de 20 mil áudios de conversas telefônicas.

 

Yeda Crusius está em São Paulo, onde deve se encontrar com o governador José Serra (PSDB-SP) para assinar acordo de cooperação para o desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul na tarde desta quarta-feira. O horário e local do encontro não foram informados pela assessoria de imprensa da governadora. 

Tudo o que sabemos sobre:
Yeda CrusiusPSDBCPIRS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.