CPI comemora devassa em contas de suspeitos

Integrantes da CPI dos Sanguessugas comemoraram nesta terça-feira, 12, a devassa feita pela Receita Federal nas movimentações financeiras de 90 parlamentares acusados de envolvimento com a máfia das ambulâncias. Para o sub-relator da CPI, deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), o pente-fino que o Fisco passou nas declarações dos parlamentares sanguessugas "é bom". O vice-presidente da CPI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), argumentou que as investigações da Receita Federal são mais um motivo para que os trabalhos da comissão de inquérito sejam prorrogados até meados de janeiro. Dos 90 parlamentares investigados pela Receita, 89 apresentaram irregularidades em suas movimentações financeiras. "Essa devassa reforça a necessidade de a CPI não ser concluída agora. Vou solicitar todos os dados da Receita Federal para que possamos fazer um cruzamento com os dados que a CPI dispõe", disse Jungmann. "Esse pente-fino da Receita é bom porque mostra que, apesar das dificuldades na Câmara, o Supremo Tribunal Federal e a Receita Federal continuam trabalhando no assunto", argumentou Gabeira. Em relatório preliminar aprovado em agosto último, a CPI dos Sanguessugas apontou o envolvimento de 72 parlamentares com a máfia das ambulâncias. Outros 18 parlamentares foram inocentados pela CPI. Mas a maioria dos congressistas já foi denunciada ao Supremo Tribunal Federal. A expectativa é que o Supremo abra inquérito contra os "parlamentares sanguessugas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.