CPI aprovará novo requerimento para quebrar sigilos de Okamotto

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos prepara o contra-ataque a mais uma liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Ficou acertada a aprovação de um requerimento quebrando novamente o sigilo bancário, fiscal e telefônico do presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Paulo Okamotto, ex-caixa de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A quebra de sigilo já tinha sido aprovada uma vez pela comissão, mas foi suspensa por decisão do presidente do STF, Nelson Jobim.O novo requerimento será apresentado pelo senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) e conta com o apoio da maioria dos membros da CPI. A quebra de sigilo tinha sido determinada com o objetivo de checar a versão de Okamotto para a quitação de uma dívida de R$ 29,4 mil de Lula com o PT. O presidente do Sebrae disse ter usado dinheiro do próprio bolso para saldar o débito contabilizado pelo partido, mas contestado pelo presidente. Antero lembra que Okamotto foi acusado pelo economista Paulo de Tarso Venceslau de usar métodos irregulares para abastecer o caixa 2 do PT, como a captação de doações de empresários de bingo. O presidente da CPI, senador Efraim Morais (PFL-PB), anunciou que pedirá à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que repreenda o advogado de Okamotto, Marcos Augusto Perez, por ter declarado que "a CPI quer fazer circo". O senador disse: "Aprendi que quando falta argumento, muita gente parte para agressão e foi o que fez este advogado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.