CPI aprova quebra de sigilos do tesoureiro do PT

Sob protestos de parlamentares do PT e de outros integrantes da base aliada, a CPI mista da Petrobras aprovou nesta terça-feira um pedido para quebrar os sigilos bancário, fiscal e telefônico do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Ele foi acusado pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef de cobrar propina de empreiteiras para obras da companhia petrolífera.

RICARDO BRITO, Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2014 | 17h14

O pedido foi aprovado por um voto de diferença, 12 voto a favor e 11 contra, e contou com o apoio de integrantes de partidos da base, como PMDB e PDT. O requerimento do líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), prevê a transferência dos sigilos de Vaccari entre 1º de maio de 2005 e 20 de maio deste ano.

O líder do PT do Senado em exercício, Wellington Dias (PI), protestou contra o pedido. Segundo ele, não há nenhum tipo de "indiciamento" referente a João Vaccari. "Não tem nenhuma convocação, nenhum indiciamento, então temos aqui uma situação em que se busca apenas colocar a politização, a disputa partidária para este caso", criticou.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse não achar "justo" quebrar os sigilos de apenas um tesoureiro do partido. "O que peço dos meus colegas é quebrar o sigilo bancário de todos", defendeu.

Cerveró

A CPI mista da Petrobras também aprovou hoje a convocação do ex-diretor da Área Internacional da estatal Nestor Cerveró. Será a segunda vez que Cerveró vai depor à comissão. Mais cedo, o colegiado aprovou uma acareação entre Cerveró e o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa.

A convocação de Cerveró tem por objetivo esclarecer também o teor da delação premiada feita por Paulo Roberto Costa. O ex-diretor havia acusado o ex-diretor da Área Internacional de ter recebido propina em razão de contratos na Petrobras.

A comissão também decidiu aprovar um requerimento de convocação do ex-diretor da Área de Gás e Energia da Petrobras Ildo Sauer. O líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE), afirmou que Sauer não virá à CPI na condição de "suspeito" e sim para esclarecer as afirmações que ele apresentou - entre elas, as feitas em entrevista ao Broadcast.

Em setembro, Sauer disse que o "governo de coalizão" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva permitia que partidos políticos indicassem dirigentes para a estatal para obter "ajuda". Recentemente, Sauer teve os bens bloqueados no processo do Tribunal de Contas da União (TCU) que envolve a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.