Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

CPI aprova indiciamento de Dantas e livra Protógenes e Lacerda

Em relatório, comissão pede que o Ministério Público indicie o banqueiro alvo da Satiagraha por grampo ilegal

Ana Paula Scinoccca, de O Estado de S. Paulo,

07 de maio de 2009 | 11h44

A CPI dos Grampos aprovou nesta quinta-feira, 7, seu relatório final com o pedido de indiciamento do banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity. O empresário é o único personagem central da investigação da comissão a ter o nome incluso no texto final. Demais personagens, alvo de apuração ao longo de 16 meses de existência da CPI, como os delegados Protógenes Queiroz e Paulo Lacerda, ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), ficaram de fora do texto aprovado.

 

Veja Também:

especialCronologia da Operação Satiagraha

especialVeja o perfil de Dantas e de outros alvos da Satiagraha 

especialAs prisões de Daniel Dantas

 

Por consenso entre os integrantes da CPI, no entanto, as recomendações de indiciamento de Protógenes, Lacerda, do ex-diretor ajunto da Abin José Milton Campana e do chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Félix, que fazem parte de votos em separado apresentados na CPI, vão ser anexadas ao texto final e encaminhadas ao Ministério Público Federal.

 

Além do indiciamento de Dantas, por grampo ilegal, no relatório final, a CPI também sugere os indiciamentos da delegada Eneida Tagary por suposta execução de escuta ambiental sem prévia autorização judicial; do detetive particular Eloy Ferreira Lacerda, por suposta prática de interceptação ilegal; do policial civil de São Paulo Augusto Pena, acusado de grampear clandestinamente a mulher, e do sargento da Aeronáutica Idalberto Araújo por vazamento de dados sigilosos. Eneida é mulher de Pena.

 

Para a CPI terminar oficialmente, falta apenas a votação de um destaque apresentado nesta manhã pelo deputado Laerte Bessa (PMDB-DF). Ele quer a exclusão dos pedidos de indiciamento da delegada da policial civil do Distrito Federal Eneida Tagary e do sargento Idalberto Araújo, além de alteração da redação do texto final da CPI no que diz respeito aos poderes de investigação do Ministério Público.

A CPI voltará a se reunir na terça-feira para a votação do destaque apresentado por Bessa.

 

Texto ampliado às 12h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.