CPI analisa ligação de deputados com jogo do bicho

Um dossiê com os documentos sobre o inquérito policial que investiga o envolvimento de deputados gaúchos com o jogo do bicho será analisado pela CPI da Segurança Pública do Rio Grande do Sul. O delegado Carlos Roberto Santana da Rosa, que preside o inquérito e na quinta-feira apresentou à comissão uma cópia dos documentos, foi reconvocado para depor na segunda-feira. A investigação policial teve início a partir da apreensão de material político-partidário, em maio do ano passado, em uma banca do jogo do bicho na cidade de Estrela, no interior do RS. A apreensão Vinha sendo mantida em sigilo até a semana passada.Um dos parlamentares investigados é o vice-presidente da CPI, Elmar Schneider (PMDB). A polícia encontrou dois recibos de doação de um suposto bicheiro, Gühnder Wolfgang Müller, em favor do PMDB de Estrela, datados de 1992, e um cartão de felicitações de aniversário enviado no ano passado por Schneider para Müller. "Conheço, é da minha cidade, mas nunca recebi nenhuma doação dele, até porque não fui candidato em 1992", afirmou hoje o parlamentar do PMDB.O dossiê entregue à Assembléia contém cópias xerox de correspondências de outros deputados federais e estaduais enviadas para a Rua Fernando Abott, nº 88, em Estrela. Eles foram recolhidos em uma operação policial. "Vou examinar o inquérito no final de semana e na segunda vamos decidir o que fazer com o teor das investigações", afirmou hoje o relator da CPI, deputado Vieira da Cunha (PDT). Para o pedetista, o inquérito policial poderia ser uma tentativa de intimidar os parlamentares da comissão. Governo - O governo acusa a oposição de tentar desviar a atenção com os depoimentos dos dois delegados que envolveram o governador Olívio Dutra (PT) e a primeira-dama Judite Dutra com o caso. Segundo os delegados, o ex-chefe de Polícia Luiz Fernando Tubino teria dito que as verbas dos bicheiros seria canalizada para as obras assistenciais do governo. O delegado deverá ser convocado para confirmar se fez ou não os comentários que são atribuídos a ele pelos colegas, mas por ora está evitando falar sobre o assunto. Sabendo que o assunto explodiria na CPI, ele se internou em um hospital para uma intervenção cirúrgica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.