Covas visita favela México 70

Foram exatos 20 minutos de permanência na favela México 70, tempo suficiente para que o governadorlicenciado Mário Covas recebesse uma injeção de ânimo dos moradores e demonstrassetodo o seu entusiasmo com as mudanças observadas naquele núcleo, onde moram cerca de50 mil pessoas. O mangue foi aterrado e dotado de toda a infra-estrutura urbana,incluindo a construção de 72 sobradinhos erguidos pela Companhia de DesenvolvimentoHabitacional e Urbano (CDHU). As moradias integram a primeira etapa de urbanização dafavela, um projeto ambicioso e complexo, considerado a "menina dos olhos" dogovernador. A visita relâmpago de Covas a São Vicente surpreendeu até seus assessores maispróximos, que não pouparam esforços para que ele pudesse cumprir a agendainterrompida na semana passada. Às 13h50, o helicóptero do Palácio dos Bandeirantespousou no campo de futebol do São Vicente Atlético Clube. No local, o prefeito MárcioFrança (PSB) já o aguardava para, alguns quilômetros depois, vistoriarem juntos asobras que foram entregues na última sexta-feira pelo então vice-governador GeraldoAlckmin. Em cadeira de rodas, mas demonstrando boa disposição, o governador foi recepcionadocom muito carinho pelos moradores, principalmente pelas crianças, que faziam questãode cumprimentá-lo. A todas ele retribuía a atenção com um afago. "Não podia perder aoportunidade de vir aqui. Este é um trabalho significativo, a obra social maisimportante de todo o estado de São Paulo, porque tirou as pessoas do mangue e lhesdeu condições dignas de moradia", afirmou emocionado, lembrando que a decisão devisitar a México 70 foi tomada na madrugada de segunda-feira, quando ainda estavainternado no Instituto do Coração (Incor) e não sabia se teria condições físicas paratal.Ao examinar o cronograma de entrega das novas casas, o governador reclamou porque só29 unidades serão entregues no próximo mês de maio, de um total de 599 moradias nofinal do ano. "Tudo isso não é nem um favor que se faz, porque se trata de umasolução estimulante para todos nós", disse, com a promessa de ampliar o projeto eatender uma reivindicação do prefeito, de construir uma estrada no entorno do manguerecuperado.Apoio popularVerônica Tobias Santiago, a dona de casa que, durante a visita deAlckmin, na sexta-feira, pediu que todos orassem, a fim de pedir o prontorestabelecimento do governador, emocionou-se ontem com a presença de Covas. "Ele háde se recuperar, porque para Deus nada é impossível", dizia.Antes de seguir para Itapecerica da Serra, também de helicóptero, onde deveriainaugurar uma estrada, o governador licenciado declarou que o apoio que tem recebidoda população tem sido muito estimulante, uma coisa muito generosa, que só tem lhetransmitido energia e muita força. "Vou seguir a minha vida da mesma forma, a hora emque eu cair caiu", completou sorrindo, ao ser conduzido pela favela na cadeira derodas empurrada pela filha Renata Covas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.