MARCELO CHELLO / ESTADAO
MARCELO CHELLO / ESTADAO

Covas transforma auxílio mensal em parcela única de R$ 300; veja quem tem direito e como sacar

Pagamento do benefício, que será pago de uma só vez, começa nesta quarta-feira; de acordo com a gestão tucana, 480 mil famílias serão atendidas

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2020 | 17h01

A Prefeitura de São Paulo começa a pagar nesta quarta-feira, 9, o auxílio financeiro aprovado pela Câmara Municipal às vésperas da eleição. Diferentemente do informado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) durante a campanha, os contemplados receberão o benefício à vista, em parcela única de R$ 300 em um cronograma que vai até o dia 15, a dez dias do Natal. De acordo com a gestão tucana, 480 mil famílias serão atendidas ou 1,2 milhão de pessoas. 

O projeto aprovado pelos vereadores foi inspirado em proposta feita por Eduardo Suplicy (PT), modificada para receber o apoio da base de Covas. O texto final previa o pagamento de três parcelas de R$ 100, mas não estipulava prazo para o início do repasse, que deve consumir R$ 417 milhões do Tesouro Municipal.

Instituído para reduzir os efeitos da pandemia causada pelo novo coronavírus, o programa Renda Básica Emergencial atenderá inscritos em programas sociais como o Bolsa Família e também famílias de trabalhadores ambulantes que possuam Termo de Permissão de Uso (TPU) ou que fazem parte do sistema “Tô Legal” da Prefeitura.

Segundo a Secretaria Municipal de Assistência Social, 95% das pessoas com direito ao benefício são mulheres chefes de família. O valor será pago pela Caixa Econômica Federal, nos moldes do auxílio emergencial do governo federal. Quem já possui vínculo com o banco (conta fácil, conta poupança fácil ou poupança) receberá o benefício diretamente na conta. Nos demais casos, será preciso abrir uma conta poupança social digital e receber o benefício pelo aplicativo “Caixa Tem” em um telefone celular com acesso à Internet. 

Ainda não há confirmação se o benefício será estendido para 2021. De acordo com a Lei Nº 15.054, que estabelece a renda básica, a continuidade do benefício está condicionada à prorrogação do prazo de estado de calamidade pública, reconhecido pelo município em março deste ano e válido até 31 de dezembro, e à disponibilidade financeira.

Quem não possuir internet poderá sacar em uma agência do banco, com documento de identificação válido com foto, de acordo com o calendário, baseado no cadastro do Número de Identificação Social (NIS): 

Final do NIS Data do crédito

1 e 2: 9/12

3 e 4: 10/12

5 e 6: 11/12

7 e 8: 14/12

9 e 0: 15/12

A partir desta quarta, 9, será possível consultar a situação do benefício por meio do telefone da Prefeitura: 156. A pasta informou que o programa pode ser estendido para 2021, mas desde que o estado de calamidade pública reconhecido pelo Município seja prorrogado e que haja disponibilidade financeira. /COLABOROU MATHEUS LARA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.