''''Covarde é quem escondeu o voto'''', afirma Mercadante

Entrevistas dos senadores de SP[br][br]Aloizio Mercadante (PT)[br][br]Petista admite que frustrou eleitor ao se abster, mas diz não ter votado por interesse eleitoral e sim por convicção

Ana Paula Scinocca e Expedito Filho, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2014 | 00h00

O senador Aloizio Mercante (PT-SP) foi apontado como o grande arquiteto em plenário da virada petista para absolver o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do processo de cassação. Voto confesso pela absolvição do senador alagoano, ele negou ontem que sua posição tenha sido covarde. "Covarde é quem escondeu o voto. Covarde é quem não assume sua responsabilidade na democracia. O voto não era pelo arquivamento do processo e eu achava que não tinha sentido você cassar enquanto não tivesse uma prova definitiva. A minha posição era para continuar investigando até chegar a um relatório conclusivo."O petista passou o dia de ontem explicando sua posição e, ao fim da entrevista ao Estado, citou o historiador e pensador político francês Alexis de Tocqueville (1805-1859): "Os juízes devem ser olhos do Estado. É necessário que saibam discernir o espírito de seu tempo."Na sessão de votação pela cassação de Renan Calheiros o sr. chegou a defender a tese de que o julgamento fosse adiado. Por que deixou para propor isso só no dia do julgamento e na sessão secreta?Eu não cheguei a defender na sessão. Fiz uma ampla consulta para verificar se havia alguma condição política de se chegar a essa conclusão e procurei apresentar os argumentos que me chegaram no momento que me vi diante do fato de ter de decidir se o Renan tinha de ser cassado ou não. Minha leitura foi de que não havia uma prova conclusiva, inquestionável, mostrando que o Renan recebeu recursos da empreiteira Mendes Júnior por meio do lobista (Cláudio Gontijo) para pagar suas despesas pessoais. Porém, ao apresentar sua defesa foram levantados questionamentos, como sua evolução patrimonial, que não configuram, até este momento, um crime que possa levar à cassação de mandato. O crime fiscal só se coloca quando há o inquérito na Receita Federal e o cidadão tem o direito de se defender. E ainda tem a defesa judicial. Esses procedimentos não tiveram seguimento no Conselho de Ética. E as outras três denúncias não estavam sendo apreciadas. Achava que o mais previdente era adiar, fazer um relatório completo, definitivo, incluindo todas as questões. Não há tribunal de exceção na decisão política e tem de respeitar o devido processo legal. Quem acusa tem de apresentar a prova. Na dúvida, pró-réu. Senador, não ficou claro por que o sr. não apresentou a proposta para adiar a sessão antes.Eu não tinha chegado a essa convicção. O sr. só se convenceu da necessidade do adiamento no dia da sessão secreta?Quando eu fui preparando meu pronunciamento e construindo os meus argumentos, me vi diante de uma situação na qual eu não achava uma solução satisfatória para o Senado. Eu achava que a decisão não seria positiva nem para a instituição nem para o senador Renan. Não iria acabar a crise nem com a absolvição nem com a condenação. Votar pela abstenção, como o sr. fez, não é um voto covarde? Não. Covarde é quem escondeu o voto. Covarde é quem não assume sua responsabilidade na democracia. O voto não era pelo arquivamento do processo e eu achava que não tinha sentido você cassar enquanto não tivesse uma prova definitiva. Minha posição era para continuar investigando até chegar a um relatório conclusivo. Meu voto é um voto político. Eu sei que o sentimento da sociedade não era esse, principalmente depois de cem dias. Eu não votei pelos meus interesses eleitorais, mas pelas minhas convicções. O combativo Mercadante dos anos 90 tinha posições claras. O voto pela abstenção não esconde esse Mercadante? Não. Se meu voto tivesse sido escondido, eu não seria o mesmo. Mas eu estou enfrentando a opinião pública, enfrentando o debate. É difícil explicar às pessoas o significado da abstenção. O voto "sim" era o voto que condenava, o voto "não" era o voto que arquivava. O que é o voto abstenção? O voto abstenção é o voto que também arquiva... Nãooooooo! Se vencesse a abstenção, a matéria não seria arquivada e voltaria para o Conselho de Ética. Senador, a vitória da abstenção anteontem era tão improvável quanto nós ganharmos na loteria. É verdade. Era muito pequena a possibilidade de vencer a abstenção, até porque eu não fiz campanha pela abstenção. Assim como era muito pequena a possibilidade de ter um adiamento, que era a decisão mais racional do Senado. O voto da abstenção prejudica a cassação, mas ele tem uma distinção em relação ao voto "não". O voto "não" é pelo arquivamento do processo. O PT foi o fiel da balança para a absolvição de Renan?Não. A oposição tem 30 senadores. No PMDB não há quem questione que tinha pelo menos quatro votos contra o Renan. Não há como trabalhar com um cenário diferente de que no PSB pelo menos dois votos tenham sido contra o Renan e no PDT no mínimo dois votos. No PSOL, o voto foi contra o Renan e, na pior hipótese, do PT pelo menos dois votos foram pela cassação. Da base vamos colocar um único senador. Essa conta daria 12 votos mais 30, o que soma 42 - e ele, então, estaria cassado. Os votos que faltaram para a cassação saíram dos partidos da oposição.Renan Calheiros deve se licenciar da presidência do Senado? Eu disse isso a ele. Eu disse: "Renan, eu acho que não podemos mais continuar com essa crise no Senado. Decidida essa questão, você deveria se licenciar." Não renunciar, porque é um prejulgamento, é uma condenação antecipada. Acho que ele deveria se licenciar para concluir o processo e para que o Senado possa evoluir com tranqüilidade.O PT mantém o apoio a Renan nas outras duas representações contra ele?Para mim o que vale é o mérito. Quem é:Aloizio Mercadante Foi líder do governo no Senado entre fevereiro de 2003 e junho de 2006 Economista, ex-deputado e um dos fundadores do PT, disputou o governo de São Paulo pelo partido em 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.