Coutinho fala de conquistas de governos do PT

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, destacou os avanços da economia brasileira na última década, durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, em palestra a uma plateia de executivos do setor de infraestrutura. Ele participa nesta segunda-feira do evento "Fdic

FERNANDA NUNES, Estadão Conteúdo

29 de setembro de 2014 | 13h21

International 2014", voltado ao setor.

Por quase dez minutos, Coutinho ressaltou os ganhos macroeconômicos ocorridos na última década. Entre os avanços, em sua opinião, estariam a retração da dívida pública e a acumulação de reservas. "E, se passarmos aos outros aspectos macroeconômicos, a inflação está dentro da meta. O Banco Central tomou medidas agudas para manter a inflação dentro de um padrão de declínio", acrescentou. Coutinho falou também sobre uma "mudança drástica da distribuição de renda", com a inclusão no grupo de consumo de integrantes das classes sociais D e E, por causa da "explosão da demanda por serviços". "Com isso, a economia manteve atratividade de investimentos", afirmou.

Entre os setores industriais com mais oportunidades de atração de investimento, Coutinho destacou o de petróleo e gás natural, que, segundo ele, abre espaço para exportações e importações. Também a agricultura continuará tendo papel relevante na balança comercial, afirmou o economista. "O desafio é seguir melhorando a produtividade da indústria, e a inovação é um fator chave. Por isso, dentro de todas as prioridades, inovação e engenharia têm os melhores termos de nossas políticas", disse.

Questionado pela plateia sobre o projeto do trem de alta velocidade (TAV), Coutinho respondeu sobre a importância do projeto. Porém, falou também sobre os desafios de custo e engenharia, embora tenha dito também que "como banco de desenvolvimento estejamos prontos para implementar" o TAV.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesBNDESCoutinhoPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.