Cotados para 2014, Aécio e Campos evitam falar de possível aliança

Os dois participaram juntos de ato de campanha em Minas Gerais; tucano já manifestou interesse

Marcelo Portela, correspondente de O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2012 | 20h50

BELO HORIZONTE - Dois dos nomes cotados para terem papéis de destaque na disputa pelo Palácio do Planalto em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o presidente nacional do PSB, governador Eduardo Campos (PE), participaram juntos de ato de campanha em Minas Gerais nesta sexta-feira, mas evitaram qualquer referência a uma possível aliança para a corrida presidencial. Pelo contrário, reforçaram parcerias nas eleições municipais, mas o tucano fez a ressalva da "compreensão das circunstâncias do outro", enquanto Campos salientou que alianças locais significam uma renúncia "às posições em nível nacional".

Aécio é o nome mais cotado do PSDB para a eleição presidencial de 2014 e já manifestou interesse em uma aliança com o socialista, que integra a base do governo da Presidente Dilma Rousseff e é visto como figura essencial em uma possível coligação pela reeleição da petista. Mas PSB e PSDB também mantêm alianças locais, como a que resultou na reeleição em primeiro turno do prefeito de Belo Horizonte, o socialista Marcio Lacerda, e, em 2010, na eleição do governador de Minas, o tucano Antonio Anastasia.

Nesta sexta-feira, os dois participaram de ato de campanha do deputado estadual Antonio Lerin (PSB), que chegou ao segundo turno na disputa pela prefeitura de Uberaba, no Triângulo Mineiro, contra o deputado federal Paulo Piau (PMDB). Segundo Campos, porém, a presença dos dois no evento tem significado "para 2012". "A eleição nem terminou ainda. Falar dessas coisas termina criando problema, mais para Aécio do que para mim", disse, referindo-se a 2014, em meio a risos inclusive do tucano.

De acordo com o governador, as parcerias locais ocorrem "com muita naturalidade" porque integrantes das duas legendas estiveram juntos "em momentos bonitos da vida brasileira", como a redemocratização. "Estivemos separados nos últimos anos nas lutas políticas brasileiras, mas, quando o interesse do País foi colocado na pauta, a gente sempre esteve junto. Isso é da maturidade democrática. Não faz a gente renunciar às nossas diferenças nem deixar as posições que temos a nível nacional", observou Campos, que negou a intenção de rodar o Brasil em uma espécie de pré-campanha. "Quem está pelo País todo é o Aécio", declarou, mais uma vez entre risos de todos.

Aécio concordou com a aproximação em torno das "grandes questões nacionais", mas ressaltou que essas alianças ocorrem com "cada um compreendendo as circunstâncias do outro". "Política é isso. Você compreender as circunstâncias do seu amigo, do seu companheiro. Eduardo participa hoje com seu partido da base de sustentação do governo da presidente Dilma. Somos a oposição. E cada um cumpre o seu papel", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.