Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Cotado para Segurança Pública, Fraga recebeu conselho de Bolsonaro para esperar 'a hora certa'

Amigo de longa data do presidente, o ex-deputado federal Alberto Fraga criticou Sergio Moro em entrevista há três meses

Jussara Soares, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2020 | 18h58

BRASÍLIA - A demissão do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro abriu o caminho para o presidente Jair Bolsonaro concretizar a ideia de recriar a pasta da Segurança Pública, que passaria a abarcar a Polícia Federal. A reestruturação é uma dos temas das conversas que Bolsonaro terá com alguns de seus principais auxiliares ao longo do fim de semana.

Amigo de longa data do presidente, o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF), cotado para assumir a possível pasta, recebeu há pouco mais de um mês a recomendação do presidente para “mergulhar” e esperar “a hora certa” para assumir um posto no governo.

Crítico de Moro, Fraga não comentou até agora a saída do ex-ministro, que, ao se demitir, acusou Bolsonaro de querer interferir politicamente na Polícia Federal e ter acesso a relatórios de inteligência.  A interlocutores, o ex-parlamentar tem avisado que está em sua fazenda no interior de Goiás e indicado que só sairá de lá se chamado pelo presidente.

Em embate constante com Moro, Bolsonaro sempre teve no radar a recriação da pasta de Segurança Pública, mas o apoio popular do então ministro o impedia de levar a ideia adiante devido a críticas de que queria esvaziar o ex-juiz da Lava Jato.  Em janeiro, no entanto, o presidente admitiu que pensava em desmembrar o Ministério da Justiça, justificando ser um pedido dos secretários estaduais de segurança pública.

Na mesma época, Fraga fez duras críticas a Moro, segundo seus interlocutores, com aval de Bolsonaro. Em entrevista ao Estado em janeiro, o ex-parlamentar disse que Moro não tinha “conhecimento técnicos” para estar à frente da Segurança Pública.  “Vai dizer que ele entende de Segurança Pública? Eu vivi a Segurança Pública por 28 anos e não sei tudo. Sem tirar os méritos do Moro, mas acho que ele poderia reconhecer que não tem os conhecimentos técnicos”, disse na ocasião.

Fraga nunca escondeu o desejo de integrar o governo. E, abertamente, falava que o que o impedia de assumir um posto no Executivo era o processo que respondia na Justiça acusado de ter recebido uma propina de R$ 350 mil na época em que era secretário de Transportes no Distrito Federal.

No dia 12 de março, ele foi absolvido por unanimidade pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Dois dias depois, ele esteve no Palácio da Alvorada conversando pessoalmente com Bolsonaro. Foi nesta conversa que ele recebeu a recomendação para se manter longe dos holofotes.

Bolsonaro e Fraga são amigos há quase 40 anos. Os dois se conheceram em 1981 na Escola de Educação Física do Exército. Depois, se encontraram na Câmara de Deputados. Bolsonaro se elegeu deputado em 1990, e Fraga em 1998. O ex-deputado foi líder da Bancada da Bala e apoiou a candidatura do presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
Alberto FragaMinistério da Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.