Roque Sá/Agência Senado
Roque Sá/Agência Senado

Cotado para Relações Exteriores, Graça Lima defende Itamaraty na execução da agenda comercial

O embaixador não comentou a indicação para a pasta e disse que acordo com UE sobre agricultura é contrário 'às nossas maiores ambições'

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2018 | 18h29

RIO - O embaixador José Alfredo Graça Lima defendeu nesta terça-feira, 13, o papel do Itamaraty como executor das políticas comerciais do país. Segundo ele, não importa a configuração da área econômica, com a separação dos ministérios da Fazenda e da Indústria e Comércio, como vigora hoje, ou com a fusão das pastas, como proposto pela equipe econômica do presidente eleito, Jair Bolsonaro. O importante, diz, é manter a separação de papéis, com a área econômica do governo definindo as políticas e o corpo diplomático atuando nas relações externas. 

Graça Lima não quis comentar os rumores de que pode vir a ocupar a pasta de Relações Exteriores no governo Bolsonaro. Deixou claro, porém, sua posição em relação a temas que já despontam na pauta do novo governo. Disse que os sinais de que o Brasil passará por um forte movimento de abertura comercial impactam diretamente algumas das agendas externas do país nos últimos anos. Citou a negociação do acordo comercial com a União Europeia, que já dura 20 anos, e as negociações no âmbito do Mercosul. 

"Os sinais estão sendo claros: o Brasil vai se abrir, independente do acordo com a União Europeia, que não avança, e do Mercosul que também não avança", disse Graça Lima, que está há 48 anos no Itamaraty, metade dos quais dedicado à agenda comercial. "O acordo com UE vai muito contrariamente às nossas maiores ambições, que é incluir agricultura nas regras do Gatt (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio, na sigla em inglês). Pelo contrário, impõe cotas, que são uma restrição quantitativa", completou durante intervalo do seminário Diálogo para Inovação - Brasil e China, realizado pelo Cebri. 

Graça Lima disse que a governança da área externa, como a separação de papéis entre o Itamaraty e os ministérios da área econômica ajudam a preservar os interesses globais do país, que poderiam ser capturados por interesses setoriais. "O sistema tem servido bem ao Brasil porque tem esses dois chapéus", defendeu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.