Costa Neto quis evitar constrangimento na Câmara, afirma deputado

Decisão de renunciar estava sendo amadurecida pelo condenado no mensalão desde agosto

Erich Decat e Daiene Cardoso , O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2013 | 18h56

Brasília - Lida no plenário da Câmara na tarde desta quinta-feira, a carta de renúncia do deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) foi elaborada, segundo o líder em exercício do PR, Luciano Castro (RR), com o objetivo de evitar o constrangimento de a Casa passar por mais um processo de cassação de um parlamentar.

A decisão de renunciar veio sendo amadurecida por Costa Neto desde agosto quando o plenário da Câmara julgou o pedido de cassação de Natan Donadon (sem partido- RO), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 13 anos e quatro meses por de peculato e formação de quadrilha. Na ocasião, Donadon escapou da cassação e manteve o mandato, apesar de preso no Complexo Penintenciário da Papuda em Brasília.

"Renunciar era uma decisão que o deputado já tinha tomado em razão de que não desejava submeter a Casa e os colegas ao constrangimento de uma votação aqui em plenário", disse Luciano Casto, que leu o documento da tribuna. "Ele entendeu também que se algum erro foi cometido, ele deve pagar por isso e vai cumprir a decisão judicial integralmente", reiterou.

Para o deputado, a renúncia de Costa Neto também evita um desgaste para a bancada. "Nunca é uma situação agradável. Valdemar era uma liderança do partido e naturalmente o partido se abala com isso, mas a vida partidária continua", considerou.

Cacique. Considerado o "dono" do Partido da República (PR), Valdemar Costa Neto foi condenado no processo do mensalão a 7 anos e 10 meses em regime semiaberto.

Luciano Castro se emocionou ao ser questionado se iria fazer uma visita ao "colega" na prisão. "O deputado Valdemar é um companheiro de 22 anos de convivência aqui nesta Casa. Entrou nesta Casa comigo, naturalmente que não é uma hora agradável para nenhum de nós. Coube o destino que eu lesse a sua carta de renúncia no plenário da Câmara. Naturalmente, não deixaremos de ser amigos" afirmou Castro.

 

 

Mais conteúdo sobre:
mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.