Costa nega que parentes sumiram com provas da Lava Jato

O ex-diretor da Área de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa negou nesta terça-feira, 10, que tenha orientado parentes para desaparecer com provas referentes à Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal. Em depoimento à CPI da Petrobras do Senado, Costa disse que no dia em que foi preso não teve o contato com nenhuma pessoa porque uma delegada estava "colada", ao lado dele o tempo todo. "Não teve possibilidade nenhuma de fazer contato com ninguém", afirmou.

RICARDO BRITO E DAIENE CARDOSO, Agência Estado

10 Junho 2014 | 14h21

Para justificar a presença de parentes no escritório de sua empresa de consultoria, Paulo Roberto Costa disse que na Costa Global, que foi alvo de ações de busca e apreensão pela PF, havia muitos papéis de empresas de uma de suas filhas. Ele também disse que um dos genros, que era arquiteto, usava a mesma sala porque a dele, no mesmo prédio, estava em reforma.

O ex-diretor da Petrobras saiu em defesa de seus parentes da suspeita de que teriam tido variação patrimonial sem renda suficiente com a compra de imóveis ou mesmo seriam usados como laranjas por Costa para omitir recursos. "Tenho certeza de que não há nada irregular sobre isso. Nada melhor do que checar o imposto de renda", rebateu.

Mais conteúdo sobre:
CPIPetrobrasSenadoCosta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.