Costa diz que vai repor ao Senado custo de viagem para Miami

Ministro diz que viajou de classe econômica mas não detalha o valor nem o número total de passagens

Gerusa Marques, da Agência Estado,

17 de abril de 2009 | 18h55

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, divulgou nesta sexta-feira, 17, nota à imprensa afirmando que vai repor ao Senado o custo total das passagens usadas por ele e família em viagem para Miami, em janeiro deste ano. Segundo a publicação Congresso em Foco, Hélio Costa usou a cota de passagens de seu suplente, senador Wellington Salgado (PMDB-MG), para ir aos Estados Unidos.

 

Veja também:

linkCongresso corta passagens aéreas, mas mantém privilégios

linkSenado corta idas ao Rio, mas não impõe regra a passagens

linkCâmara anuncia corte de 20% na cota de passagens

linkEx de Galisteu devolve R$ 21 mil à Câmara por gasto em viagem

linkDeputado paga passagens para artistas com verba da Câmara

 

Hélio Costa diz na nota que foi convidado como ministro e senador (licenciado) a dar uma palestra sobre TV digital na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Miami, no dia 8 de janeiro, o que coincidiu com seu período de férias. Costa disse que, como ministro, poderia viajar de primeira classe e que, neste caso, a viagem custaria US$ 8 mil.

 

Ele relata que, depois de tentar, sem sucesso, usar créditos de programas de milhagens na compra das passagens, acabou usando "temporariamente" os créditos do Senado para ele e sua família, na empresa American Airlines. Sem detalhar o valor nem o número total de passagens, Costa diz que esses créditos têm valor inferior aos US$ 8 mil e que viajou de classe econômica.

 

O ministro afirma na nota que os créditos do Senado Federal serão "compensados" com o programa de fidelidade da TAM. "Estou encaminhando requerimento à mesa do Senado Federal, por intermédio do senador Wellington Salgado, solicitando informações sobre o procedimento adotado por minha assessoria e, em caso de dúvida, não hesitarei em repor o custo total das passagens", conclui o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.