Corte orçamentário afeta políticas para a infância

Os cortes orçamentários estão dificultando a recuperação de menores infratores no Brasil, denunciou nesta quinta-feira a deputada Rita Camata (PMDB-ES), durante audiência na Comissão de Seguridade Social para discutir o descumprimento das metas assumidas com o Fundo das Nações Unidas para a Infância e Adolescência (Unicef).Em 1990 foram definidas 23 metas que deveriam ser cumpridas até o fim da década. Mas o País só atingiu plenamente 15. O relatório que contém o balanço foi apresentado hoje à Câmara. Ele será enviado à Assembléia das Nações Unidas sobre Criança, em setembro.Uma das metas parcialmente cumpridas é a redução da mortalidade infantil, que caiu um terço na década. Em 1999, só 4% das crianças estavam fora da escola ante 15% registrados em 1991. O País foi bem sucedido ao reduzir a menos de 10% a incidência de crianças nascidas com baixo peso. E também ao diminuir em 95% as mortes por sarampo.O deputado Alceu Collares (PDT-RS) também observou que o crescente comprometimento das receitas com pagamento da dívida prejudicam a assistência social à população, principalmente à criança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.