Corte no Orçamento será de R$ 16,5 bilhões, diz Bernardo

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, confirmou na noite de terça-feira, 13, que o corte no Orçamento da União deste ano será de R$ 16,5 bilhões. De acordo com ele, o bloqueio não deve atrapalhar a tramitação e a votação dos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)."Nós estamos fazendo uma limitação dos gastos de custeio para abrir espaços para os investimentos", disse Bernardo, após participar de uma audiência especial no plenário da Câmara. "Todas as áreas serão afetadas dentro deste conceito".O anúncio oficial do corte no Orçamento deve ser feito nesta quarta-feira, 14, com a divulgação do decreto de programação orçamentária. O ministro adiantou que o governo pretende concentrar uma parte do bloqueio nas emendas parlamentares do Orçamento aprovado pelo Congresso.EmendasDe acordo com uma reportagem do Estado, o governo deve liberar apenas R$ 3 bilhões dos R$ 14 bilhões das emendas do Orçamento. Na terça, Bernardo reuniu-se com os presidentes dos partidos da base para tentar amenizar os efeitos do decreto de programação orçamentária.O anúncio oficial do contingenciamento deveria ter ocorrido na terça, mas foi adiado por causa da agenda dos ministros da área econômica, que, além da reunião do Conselho Político, também foram ao Congresso apresentar as metas do PAC.Apesar do corte anunciado por Bernardo, o valor efetivamente bloqueado pelo governo deve chegar a R$ 19 bilhões. A diferença decorre do fato de que parte da verba - quase R$ 3 bilhões - será liberada formalmente, mas não distribuída para gasto entre os ministérios, permanecendo em uma reserva técnica que pode ser usada a qualquer momento pela equipe econômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.