Corte no Orçamento atinge emendas de parlamentares

O corte de R$ 5,8 bilhões no Orçamento deste ano vai atingir em cheio as emendas coletivas dos parlamentares. A avaliação é do presidente da Comissão Mista de Orçamento, deputado Alberto Goldman (PSDB-SP), e do relator do Orçamento Geral da União de 2001, senador Amir Lando (PMDB-RO). Ambos garantiram, no entanto, que os R$ 5,8 bilhões foram apenas contingenciados, ou seja, não serão liberados imediatamente pelo governo. Amir Lando classificou como "chantagem" a ameaça de o governo cortar outros R$ 2,6 bilhões do Orçamento, caso o Palácio não consiga aprovar em regime de urgência, até o fim de fevereiro, o projeto de lei que restabele o pagamento do funcionalismo público civil do Executivo federal no quinto dia útil de cada mês. "O Orçamento é uma lei para ser cumprida e não pode servir de instrumento de chantagem para que o Congresso aprove uma lei", argumentou Lando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.