''''Corte na veia'''' atingirá três Poderes, diz Lula

Em programa de rádio, ele afirma que banqueiros não se queixaram de aumento de tributo

Leonencio Nossa, O Estadao de S.Paulo

08 de janeiro de 2008 | 00h00

Em meio às queixas de parlamentares e juízes contra os cortes de despesas anunciados pelo governo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi incisivo ao dizer que só conseguirá compensar a perda da CPMF com a redução de R$ 20 bilhões nos gastos dos três Poderes. "Resolvemos com muita seriedade e tranqüilidade anunciar ao Brasil que temos de cortar na veia outra vez", afirmou. "Temos de cortar os gastos", reiterou ele, completando: "Isso vale para o Poder Executivo, o Judiciário e o Legislativo."Em entrevista divulgada ontem no programa de rádio Café com o Presidente, Lula observou que os banqueiros, por exemplo, não se queixaram do aumento da CSLL, uma das medidas anunciadas. "Não reclamaram porque os bancos tiveram muito lucro nesses últimos anos", avaliou. "Agora, os bancos estão ganhando, eles vão poder pagar um pouco mais."A Câmara, o Senado e os Tribunais de Justiça planejavam várias obras para este ano, como reformas de gabinetes. Assim, as medidas anunciadas para compensar a perda de R$ 40 bilhões do imposto do cheque não foram bem recebidas por parlamentares e no Judiciário.Nas contas de Lula, o aumento da alíquota do IOF e da contribuição dos bancos renderá ao governo cerca de R$ 10 bilhões e o corte de despesas, mais R$ 20 bilhões. Ele pretende atingir os R$ 40 bilhões com o crescimento da economia.OBRASNa entrevista para o jornalista e apresentador do programa, Luiz Fava Monteiro, Lula falou sobre as obras previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), como a refinaria de petróleo em Pernambuco, a Ferrovia Norte-Sul e a transposição das águas do Rio São Francisco. Citou, ainda, o programa de financiamento de moradia da Caixa Econômica Federal, que já contratou R$ 17 bilhões. "O governo está tranqüilo com as coisas que estão acontecendo, porque fizemos sacrifício no primeiro mandato", declarou o presidente. "Certamente, estaremos sempre muito vigilantes para que a gente não permita que haja nenhum desvio nas metas que nós já traçamos para chegar a 2010."Lula reiterou que o governo pretende manter os programas sociais, mesmo sem poder contar com os recursos da arrecadação da CPMF. Ele destacou ainda as ações na área do ensino, com a ampliação da rede universitária e das escolas técnicas. O governo está investindo na construção de 10 universidades e 214 escolas de ensino profissionalizante.À tarde, o presidente recebeu no gabinete do Palácio do Planalto a rainha e as princesas da Festa da Uva de Caxias do Sul (RS), evento que vai de 21 de fevereiro a 9 de março. Lula, que já participou de duas edições do evento, em anos anteriores, disse que pretende retornar à serra gaúcha na abertura da festa de 2008, segundo informaram os organizadores. FRASESLuiz Inácio Lula da SilvaPresidente"Resolvemos com muita seriedade e tranqüilidade anunciar ao Brasil que temos de cortar na veia outra vez""Agora os bancos estão ganhando, eles vão poder pagar um pouco mais""Estaremos muito vigilantes para que a gente não permita que haja nenhum desvio nas metas que traçamos para chegar a 2010"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.