Corte de energia vai durar 6 meses

O ministro de Minas e Energia, José Jorge, disse hoje, em entrevista coletiva, que os integrantes do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) estão cientes da necessidade de se começar rapidamente o racionamento e que, por isso, as medidas de corte de energia elétrica devem ser implantadas a partir de 1º de junho, com previsão de término no dia 30 de novembro. Até a próxima reunião do CNPE no dia 23 de maio, os técnicos do ministério e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deverão trabalhar para definir os porcentuais de corte que serão aplicados em cada segmento de consumidores (industrias, residências, comerciais e rurais). Também ficará definido até essa reunião a frequência dos cortes e a duração.Segundo o ministro, as concessionárias de energia terão uma orientação geral e, partindo dessa orientação, definirão os cortes nas regiões em que atuam. O ministro informou que continua trabalhando com a idéia de adotar cotas para incentivar a redução do consumo de energia elétrica. Os consumidores que gastarem menos do que as cotas estabelecidas pelo governo terão um bônus que poderá ser creditado na conta de luz.Segundo o ministro, ainda não está definido o porcentual desse bônus que será calculado com base no consumo ou na economia ou na diferença entre o que foi gasto e a cota definida para o consumidor. O ministro afirmou que os recursos para o pagamento dos bônus sairão dos cofres do Tesouro e serão pagos ao consumidor por meio do Sistema Eletrobrás.José Jorge garantiu que os consumidores serão informados dos cortes por campanhas na mídia e pelas concessionárias, logo após a reunião do dia 23.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.