Corrupção na administração pública será principal alvo da PF

O novo diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, afirmou durante sua posse, nesta quarta-feira, que a principal tarefa da instituição no governo de Luiz Inácio Lula da Silva será o combate à corrupção na administração pública. Anunciou também a criação de um departamento de repressão ao tráfico de armas, que funcionará em todos os Estados."Temos de reduzir a impunidade e até mesmo possibilitar que a corrupção algum dia se torne uma prática insignificante e isolada no serviço público brasileiro", afirmou.Uma de suas metas é fortalecer a divisão, transformada em coordenadoria.Lacerda garantiu que a PF vai trabalhar em conjunto com todos os orgãos federais ligados à área de inteligência, como a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Conselho de Fiscalização de Atividades Financeiras (Coaf).Considerado um dos delegados mais técnicos da PF, Paulo Lacerda é um dos maiores especialistas em crimes financeiros.Foi o responsável por desvendar o esquema de corrupção montado por Paulo César Farias no governo do ex-presidente Fernando Collor de Mello.Ele criou a Divisão de Repressão ao Crime Organizado e Inquéritos Especiais (Decoie) e auxiliou diversas CPIs no Congresso, quando o assunto era lavagem de dinheiro.A solenidade contou com a presença do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, ex-advogado de presos políticos, e do secretário especial dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, que chegou a ser preso pela PF durante o regime militar.Reuniu também políticos do PT ao PFL, como os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP) e Romeu Tuma (PFL-SP) e o deputado federal Moroni Torgan (PFL-CE). Alas contrárias à indicação não participaram da posse, como a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), que chegou a ameaçar greve se a nomeação de Lacerda fosse mantida.A PF vai criar uma diretoria especializada em repressão ao tráfico de armas. "Os crimes mais graves da atualidade, como o tráfico de drogas, os grandes assaltos, o roubo de cargas, os seqüestros, as lutas entre quadrilhas rivais, somente acontecem graças ao poderio das armas em mãos dos delinqüentes", afirmou o novo diretor. Ele se reuniu ontem com Lula.A cúpula da PF prevê polêmica em torno do assunto, já que as polícias estaduais querem para si as ações sobre o tráfico de armas, e as Forças Armadas querem o controle dos armamentos de uso proibido. Lacerda vai propor a criação de um grupo especial para lidar com o envolvimento de policiais nesse tipo de crime.Atualmente, o Sistema Nacional de Armas (Sinarm), é responsável pelo controle de comércio, posse e registro de armas.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.