André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Corrupção é obstáculo para desenvolvimento político, afirma Rodrigo Janot

Ex-procurador-geral da República diz que solução para crise brasileira está na política

Leonardo Augusto/ ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2017 | 14h28

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta segunda-feira que a corrupção "é obstáculo para o desenvolvimento político". A declaração foi dada em uma palestra a alunos e professores de uma faculdade de Belo Horizonte. Segundo Janot, a saída para crise no País se dá na política e não fora dela.   

"A solução para o Brasil hoje, para a crise política que o Brasil vive, só pode acontecer através da política. Não há outra opção possível desse problema político que passa o país".

+ ‘Sucesso da Lava Jato depende da reação da sociedade’, diz Moro

‘O Congresso pode pôr tudo abaixo em uma madrugada’, afirma Dallagnol

Às vésperas da votação, no Congresso Nacional, da segunda denúncia contra o presidente da República, Michael Temer (PMDB), o ex-chefe do Ministério Público Federal (MPF) disse ainda esperar que o combate à corrupção no País continue e afirmou que a percepção sobre o Brasil no exterior melhorou depois das investigações contra a corrupção no país.

"Como o Brasil é visto lá fora depois de todas essas atividades que realizou, e que a gente espera que continue"?, disse Janot, que iniciou a palestra citando declaração do Papa Francisco, em que o chefe da Igreja Católica trata a corrupção como algo "sujo" e que "fede".

Em seguida, Janot apresentou dados que retirou do Fórum Econômico Mundial, que mostram o Brasil saindo da posição 120.ª para a 109.ª na lista das nações que mais combatem a corrupção.

Janot deixou o cargo de procurador-geral da República, depois de dois mandatos, em 17 de setembro. Foi substituído por Raquel Dodge. O ex-procurador foi o responsável no MP pela maior parte da condução das investigações no âmbito da Lava-Jato.

Janot também fez um balanço sobre a Operação Lava-Jato. Disse que, até agora, foram abertos 1765 procedimentos e fechadas 120 colaborações premiadas no Supremo Tribunal Federal (STF).

Como vem acontecendo com frequência, Janot, mais uma vez, voltou a evitar a imprensa. Ao sair da escola, a intenção do ex-procurador era pegar um táxi. Quando soube da presença de repórteres na entrada da escola, conseguiu carona com um professor e deixou o local pela garagem.

Tudo o que sabemos sobre:
PolíticaRodrigo JanotMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.