Corretora envolvida no esquema do valerioduta deixa de operar

Envolvida no esquema do valerioduto, a Bonus-Banval Corretoria de Títulos e Valores Mobiliários decidiu deixar de operar no mercado financeiro. A informação consta de comunicado divulgado no Sisbacen (Sistema de Informação do Banco Central), que reproduz a declaração de propósito da empresa publicada no Jornal da Tarde de quarta e quinta-feira da semana passada. Com a divulgação na declaração no Sisbacen, o Banco Central abriu prazo de 30 dias para que sejam encaminhadas eventuais restrições à decisão da corretora. Segundo o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, a corretora intermediou R$ 3,5 milhões em pagamentos do mensalão ao PT, ao PP e ao PL. De posse dos dados bancários dos envolvidos no valerioduto, a CPI dos Correios descobriu que pelo menos R$ 6 milhões saíram das empresas de Valério e foram parar nas contas da Bônus-Banval. Segundo a comissão, o dinheiro que irrigou as contas da corretora tinha como origem, na verdade, a empresa Visanet, que tem o Banco do Brasil como um dos principais sócios. A CPI ainda investiga os destinatários finais desses R$ 6 milhões e deve propor o indiciamento dos sócios da corretora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.