Corregedoria vai acompanhar investigações de fraude no Orçamento

O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), informou nesta segunda-feira que a Corregedoria do Senado vai acompanhar as investigações da Polícia Federal sobre fraudes envolvendo emendas de parlamentares para compra de ambulâncias e superfaturamentos que beneficiavam uma empresa de Cuiabá.Com isso, está afastada temporariamente a possibilidade de uma investigação da Corregedoria sobre o possível envolvimento do líder do PMDB no Senado, Ney Suassuna (PB). Na última quinta-feira, Suassuna afastou um funcionário de seu gabinete, Marcelo Cardoso Carvalho, preso durante a Operação Sanguessuga da Polícia Federal.Renan determinou abertura de sindicância para apurar a responsabilidade de funcionários no Senado nas fraudes. No primeiro dia, a operação prendeu 46 pessoas, entre servidores do Poder Legislativo, do governo federal e os ex-deputados Ronivon Santiago (PP-AC) e Carlos Rodrigues (RJ), expulso do PL. Ambos tiveram os mandatos cassados no ano passado."Vou determinar ao corregedor do Senado, Romeu Tuma, acompanhe a investigação que está acontecendo na Polícia Federal e no Poder Judiciário para que, como conseqüência, possamos tomar as medidas cabíveis e vou determinar ao diretor-geral da Casa que abra sindicância para apurar responsabilidades dos funcionários."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.