Corregedoria se reúne hoje para analisar denúncias e produzir relatório

Como até o momento nenhuma representação formal contra Soninha chegou ao presidente da corregedoria da Câmara, Wadih Mutran (PP), ele decidiu realizar uma reunião hoje, às 11 horas, para analisar em conjunto com vereadores as reportagens publicadas pelo Estado com as declarações da candidata. A corregedoria, porém, não tem poder de instaurar um processo punitivo, mas deve apresentar um relatório aos vereadores com o conteúdo das frases de Soninha. Veja galeria de fotos da confusão na Câmara Assista ao vídeo do bate-boca com vereadores Blog: principais declarações de Soninha na sabatina O vereador Carlos Apolinário, líder do DEM na Câmara, diz já ter apresentado uma representação para que ela seja enquadrada por quebra de decoro. Outros colegas dizem o mesmo, mas seus pedidos ainda estão tramitando e não chegaram a Mutran. Quando chegarem, a comissão designada pela corregedoria vai analisar, com base em documentos entregues pelo denunciante, se há ou não crime nas acusações de Soninha e se o caso deve ou não ir ao plenário.Em caso positivo, todos os 55 vereadores da Câmara votam a favor ou contra a punição - neste caso, por quebra de decoro parlamentar. "O problema é que não podemos trabalhar somente sobre as publicações. É preciso ver se ela mantém as acusações mesmo entre nós", explicou Mutran. Até o momento, Soninha manteve o discurso de que há, de fato, venda de votos na Câmara Municipal - troca por cargos e, "na pior das hipóteses, por dinheiro". Ontem, após o término da sessão, ela reafirmou: "Você condicionar a aprovação de um projeto a ter cargo na administração não é correto. É uma forma de desvio, é uma forma de corrupção. Esse acordo é absolutamente desonesto."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.