Corregedoria encaminhará caso de Zé Bruno ao MP, diz Alckmin

Sem dar prazos, governador de SP afirmou que dará andamento às investigações sobre participação de deputado em susposto esquema de venda de emendas

Gustavo Uribe, da Agência Estado

05 de outubro de 2011 | 12h19

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), informou nesta quarta-feira, 5, que a Corregedoria Geral da Administração (CGA) encaminhará ao Ministério Público as conclusões da investigação sobre suposto esquema de recebimento de propina envolvendo o ex-deputado estadual José Antonio Bruno (DEM). Uma testemunha afirmou à corregedoria ter presenciado pagamento de propina em troca de emendas parlamentares no gabinete do então deputado, conhecido como Zé Bruno, na Assembleia Legislativa. O caso teria origem no suposto esquema de venda de emendas parlamentares que foi denunciado pelo deputado Roque Barbiere (PTB), revelado pelo Estado.

 

"O caso do ex-deputado José Bruno já está sendo averiguado pela Corregedoria do Estado antes da convocação do deputado Roque Barbiere", afirmou. "O caso está sendo averiguado com rapidez e rigor e será encaminhado ao Ministério Público", disse o governador, sem dar um prazo para a conclusão das investigações. O deputado nega as acusações.

 

Alckmin participou nesta quarta da solenidade de entrega de 21 veículos à Polícia Militar Rodoviária para o patrulhamento do trecho Sul do Rodoanel Mário Covas. No evento, voltou a cobrar de Barbiere que aponte "aquilo que sabe". Nessa terça-feira, 4, o parlamentar comparou a atividade da Assembleia Legislativa à de um camelódromo e alegou que teria alertado o secretário de Planejamento, Emanuel Fernandes, e a subsecretária de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, identificada como "delegada Rose", sobre possíveis irregularidades na destinação das verbas liberadas por emendas.

 

"Ele não citou um caso para ninguém. Pode entrevistar a delegada Rose ou o secretário Emanuel Fernandes", disse Alckmin. "E eu entendo que ele (Barbiere) tem o dever, como homem público, de apontar o que sabe."

 

O governador reafirmou que as informações sobre as emendas liberadas já foram publicadas na internet. "E tudo está transparente", garantiu.

 

'É estranho'. O ex-deputado Zé Bruno afirma que nunca vendeu emendas e afirmou achar "estranho" o fato de seus ex-assessores relatarem o caso somente após o fim do mandato. Zé Bruno atribui as acusações a pessoas ligadas a uma igreja a que pertenceu por 17 anos.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
venda emendasemendas AlespZé Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.