MARCIO FERNANDES|ESTADAO
MARCIO FERNANDES|ESTADAO

Corregedoria arquiva mais duas reclamações contra Moro na Lava Jato

Dez das 14 ações contra o juiz enviadas à Corregedoria foram arquivadas; quatro ainda não foram analisadas por conta de 'erros formais'

Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2016 | 21h33

Brasília - A Corregedoria Nacional de Justiça arquivou nesta quinta-feira, 19, duas reclamações contra o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, e responsável por julgar as ações da Lava Jato na primeira instância. Os procedimentos questionavam a conduta do magistrado durante as investigações conta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

As ações pediam a punição de Moro por suposta quebra indevida do sigilo telefônico dos advogados de Lula, divulgação indevida de interceptações telefônicas e usurpação de competência do Supremo Tribunal Federal (STF) ao investigar a presidente da República afastada Dilma Rousseff, que tem foro privilegiado.

O caso estava sob análise da corregedora nacional, a ministra Nancy Andrighi. Ela adotou o mesmo entendimento usado para arquivar outras três reclamações na semana passada. De acordo com a ministra, as questões já vêm sendo analisadas seja pela corregedoria regional a qual Moro está submetido, seja pelo próprio STF.

Outras questões tratadas nas ações, com a violação das prerrogativas da advocacia, Nancy entendeu que o assunto não pode ser examinado pela corregedoria, e deve ser analisado pela própria Justiça caso seja provocada. A corregedora, no entanto, destaca que “o simples fato de o paciente ser advogado não lhe pode garantir imunidade na eventual prática de delito no exercício da profissão ”.

Arquivadas. Das 14 reclamações contra Moro enviadas à Corregedoria, dez já foram arquivadas. Quatro delas não foram sequer analisados porque continham erros formais. Na semana passada, três procedimentos foram arquivados, dois dos quais eram considerados os principais. O primeiro foi subscrito por sete deputado e o segundo, por doze senadores, todos da base aliada do governo petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.