Corregedora não agirá por conveniência política, diz FHC

No final de seu pronunciamento, o presidente Fernando Henrique Cardoso fez a leitura de carta endereçada à nova corregedora geral da República, Anadyr Mendonça Rodrigues, na qual assume o compromisso de que não haverá conveniência política ou qualquer outra ordem que impeça o trabalho dela. Ele disse que o cargo terá status de ministro de Estado. FHC disse ainda na carta que é preciso combater os desvios funcionais, a corrupção e a impunidade. "A impunidade é irmã gêmea da corrupção, porque permite que a demagogia confunda o joio com trigo." O presidente disse ainda na carta que o governo não deseja encobrir nada, mas que não pode permitir que fatos do passado se transformem em um clima fictício de mar de lama. Ele afirmou também que a CPI, que se pretende instalar no Congresso, tem cunho eleitoral e que transformar um instrumento democrático como a CPI em "aríete político eleitoral" é desmoralizar as instituições. FHC encerrou o pronunciamento empossando a corregedora no cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.