Corregedora já tem e-mail para receber denúncias

A nova corregedora-geral da União, Anadyr de Mendonça Rodrigues, informou que já pode receber "denúncias responsáveis" de corrupção no governo pelo site www.brasil.gov.br e pelo e-mail governo@brasil.gov.br e que, dentro em breve, será instalado também um telefone com prefixo 0800, com a mesma finalidade. A corregedora garantiu que divulgará via Internet todas as denúncias que receber. Ela declarou que receberá, de bom grado, as denúncias oferecidas pelo senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA). Anadyr Rodrigues disse que não vai prestigiar denúncias anônimas. Ela declarou que seu trabalho será como o de um ?maestro?, coordenando ações "para que a orquestra toque, mesmo que um dos instrumentos precise ser substituído". Anadyr Rodrigues fez questão de assinalar que é equivocada a visão de a Corregedoria tenha sido criada para fiscalizar o Ministério Público. Segundo ela, a Corregedoria não vai substituir órgãos, ?mas sim suprir omissões". A corregedora-geral da União, Anadyr de Mendonça Rodrigues, assumiu ontem sua nova função e prometeu trabalhar em harmonia com outros Poderes, em resposta velada às reações negativas do Judiciário e do Ministério Público à sua nomeação. Ela transferiu ao presidente Fernando Henrique Cardoso a decisão sobre outros ministros que eventualmente estejam envolvidos em irregularidades. Sua função, frisou ela, será fiscalizar e garantir que as investigações sejam concluídas com rapidez e eficiência. "Os ministros estão afetos à autoridade do presidente", ressaltou.Anadyr garantiu ainda que não foi empossada para encobrir o pedido de abertura da chamada CPI da Corrupção no Congresso. "Minha resposta será o trabalho", reagiu. Já no primeiro dia na função, ela pediu um balanço detalhado de todos os procedimentos tomados pelo governo para solucionar casos em andamento.Orquestra - A corregedora mandou ainda um recado ao Ministério Público. "Não haverá invasão da competência de ninguém." Parafraseando o presidente, ela comparou sua atuação à de uma orquestra. "Não se estará usurpando o instrumento de ninguém, mas regendo os instrumentos que hoje já tocam."Ontem, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Paulo Costa Leite, informou que a criação do órgão é um problema do Executivo, mas deixou claro que não aceitará interferências. "O importante é que as atribuições do novo órgão não interfiram naquelas constitucionalmente reservadas ao Judiciário e ao Ministério Público", declarou. Entre os procuradores, o clima foi o mesmo.Até ontem, Anadyr ainda estava avaliando quais instrumentos terá à disposição. A corregedoria não tem um orçamento nem estrutura definidos e, por enquanto, terá a colaboração de oito servidores da Advocacia-Geral da União (AGU).Tribuna - O senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) subiu ontem à tribuna para ser o primeiro a encaminhar denúncias à corregedoria. "Não é a solução perfeita, mas é salutar", comentou. Supostas irregularidades no Banco do Estado do Pará (Banpará) e pagamento de precatórios pelo ministro dos Transportes, Eliseu Padilha, foram os seus dois alvos.Ontem, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), elogiou as medidas anunciadas por Fernando Henrique. "Era a preocupação de chefe de Estado que tem a responsabilidade em relação aos destinos do País. Acho muito louvável o governo ter uma corregedoria que seja um órgão independente que investigue, apure responsabilidades e puna os envolvidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.