Corregedora do CNJ pedirá afastamento de juízes no RN

Eliana Calmon confirmou intenção de punir desembargadores acusados de participar de esquema de desvio de dinheiro do Tribunal de Justiça do Estado; prejuízo ultrapassaria R$ 13 milhões

Anna Ruth Dantas, especial para Agência Estado

16 de abril de 2012 | 14h53

NATAL - A ministra Corregedora do Conselho Nacional de Justiça, Eliana Calmon, confirmou que pedirá o afastamento dos desembargadores Rafael Godeiro e Osvaldo Cruz, integrantes do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. Eles são acusados de participar de esquema de desvio de dinheiro no Setor de Precatórios do TJ-RN, um esquema que já aponta para fraude superior a R$ 13 milhões.

Durante lançamento da Semana de Conciliação de Precatórios no Rio Grande do Norte, evento ocorrido nesta segunda-feira, 16, pela manhã, Eliana Calmon disse que o afastamento dos dois desembargadores será proposto por ela ao CNJ e deverá ser votado na sessão do dia 8 de maio. "Penso que o afastamento dos dois será interessante até para que eles possam apresentarem as suas defesas com a tranquilidade necessária", disse a ministra, confirmando a abertura de Processo Administrativo Disciplinar para investigar os dois desembargadores.

A investigação no CNJ é a segunda aberta especificamente para apurar a responsabilidade dos desembargadores Rafael Godeiro e Osvaldo Cruz no escândalo do desvio de dinheiro do Setor de Precatórios, caso que ficou conhecido no Rio Grande do Norte como Operação Judas.

O Superior Tribunal de Justiça já abriu um inquérito contra os dois desembargadores potiguares. Os dois magistrados foram citados pela ex-chefe do Setor de Precatórios Carla Ubarana de Araújo Leal, que, junto com o marido o empresário George Leal, são réus confessos do esquema. Em depoimento na 7ª Vara Criminal de Natal a servidora do Tribunal de Justiça revela que o dinheiro desviado do Setor de Precatórios era rateado entre ela e os dois desembargadores.

Tudo o que sabemos sobre:
JustiçaCNJRN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.