Corregedor vai apurar envolvimento de senadores

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), pediu ao presidente da CPI Mista dos Sanguessugas, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), cópia de depoimentos e provas contra senadores envolvidos com a máfia da venda superfaturada de ambulâncias para prefeituras. Tuma afirma necessitar de todo o contexto em que os parlamentares são denunciados - sobretudo pelo empresário Luiz Antonio Vedoim, tido como o líder da quadrilha -, para checar se há indícios ou não que justifiquem a abertura de processo de cassação do mandato. "Não adianta só as declarações isoladas, temos de verificar a totalidade do esquema", argumenta. O corregedor não citou nomes. O que se sabe até agora é que Vedoim denunciou como supostos participantes do esquema os senadores Ney Suassuna (PMDB-PB), Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT). O senador Sibá Machado (PT-AC), integrante da CPI, é acusado de facilitar o acesso de um assessor da Serys ao depoimento de Vedoin, realizado em Cuiabá. No caso do senador Siba Machado, o corregedor quer saber se ele agiu com má-fé ou não.Segundo Tuma, o exame do material em poder da CPI, vai mapear a investigação prévia da corregedoria. Ou seja, vai indicar quem, além do parlamentar, de seus parentes e assessores, deve ser ouvido como testemunhas.Para Tuma, não há por que esperar a apresentação do relatório da CPI, dia 18 de agosto, para as corregedorias das duas Casas começarem a agir. Ele diz achar estranho, por exemplo, que não tenham sido enviados à Corregedoria da Câmara os nomes dos atuais parlamentares e ex-parlamentares sobre os quais já existem provas, como antecipou o vice-presidente da comissão, deputado Raul Jungmann (PPS-PE).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.